domingo, 6 de agosto de 2017

As Bêberas...

.
.
.

     Amigos…    
Gosto mais de bêberas do que figos,
Grandes, brancas ou mais escuras,
Alongadas e maduras,
Gosto de palpá-las,
Quase esmagá-las,
Madurar cada bêbera verde de amarguras,
Acariciá-las!...
Amigos…
Imaginem a figueira de todos os perigos,
Bêberas doces de maduras, sem abrigos,
Sem línguas que lambam suas doçuras,
Bêberas quentes, ansiosas por ternuras,
Penduradas em seus verdes castigos,
Como se fossem docemente impuras,
Nascidas em figueiras de mendigos!...

Pingos de mel, tão doces são,
Doces são as rachas de figos lampos,
A figueira deu frutos de prazer a Adão,
Bêberas de prazer com doces encantos!...

Eva, a primeira puta em vez de freira,
Deu a bêbera ao primeiro que homem que apareceu,
Não escondeu a madura bêbera da sua verde figueira,
Deu sua folha a Adão que o seu fruto escondeu!...

Amigos…
Comam bêberas,
Não comam cus de figos!...
.
.
.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Aniversário do Tempo e do Sorriso

.
.
.
O tempo é viajante,
Que passa para nos visitar,
Chega como visitante,
E num instante,
    Decide ficar!...

Hoje não posso dar-te o dia que há de vir,
O amanhã é sempre o dia que há de chegar,
Dou-te este dia para que possas, sempre, sorrir,
Dou-te o dia de amanhã para que possas recordar,
Que o tempo é uma linha que o tempo faz sentir,
Toda a vontade de ser amada e, sempre, amar,
E dessa linha dos lábios nunca desistir!... 
Aqui fica sempre a passar,
Como um estranho amante,
Que estranhamente parece amar,
Sem deixar de ser um amor distante,
    Tão próximo de nos querer deixar!...

E o tempo passa,
Pelo sorriso que fica,
    Para que sorriso se faça!...
.
.
.

quinta-feira, 3 de março de 2011

terça-feira, 1 de março de 2011